Aumento da produção de café em Oé-Cusse.

Aumento da produção de café em Oé-Cusse.

Mais de 100 agricultores da região de Oé-Cusse receberão o apoio de peritos na preparação de novas plantações de café em mais de 60 hectares.

 

A produção de café em Oé-Cusse cobre mais de 33 ha, sendo mais de 120 as famílias que se dedicam atualmente à sua produção. A SRADR de Oé-Cusse está a planear melhorar a produtividade por pé de café, que atualmente é muito baixa (0,4 kg), e a densidade de pés por hectare. Embora seja um grão que está dependente do mercado internacional e que, por conseguinte, sofre flutuações do preço sem possibilidade de controlo pelos produtores, pode ser uma boa opção para promover a agrossilvicultura e melhorar os meios de subsistência nas áreas mais isoladas das montanhas de Oé-Cusse.

Em 9 de novembro, sexta-feira, pelas 14h00, técnicos do Programa de Negócio Agrícola da Secretaria Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, ZEESM TL, em colaboração com o Sr. Yohanis Ngongo, investigador do Assessment Institute for Agriculture Technology East Nusa Tenggara, realizaram um workshop com mais de 50 agricultores com vista a preparar os viveiros para as novas plantações de café.

O workshop centrou-se na transferência das técnicas dos viveiros para o café e as árvores de sombra. Desta forma, o objetivo do workshop é o de providenciar aos produtores de café as competências e os conhecimentos necessários para continuarem a expandir a produção de café na região. Depois do workshop, os agricultores levaram os peritos a verificar os viveiros de café e árvores de sombra já em funcionamento, tendo sido discutidas a gestão, as funções e as necessidades quanto ao cultivo adequado de árvores de sombra, para além da identificação das variedades usadas.

O mesmo workshop foi igualmente realizado em Lakhfoan em 14 de novembro, quarta-feira, pela mesma hora e com o mesmo conteúdo, para um total de 50 agricultores. Além disso, depois do workshop, os agricultores locais levaram a equipa do Programa de Negócio Agrícola aos campos de café, onde a mesma pôde ver o estado atual dos pés de café e árvores de sombra já plantados e receber informações significativas acerca do trabalho anteriormente efetuado pelos produtores que facilitarão as necessárias decisões a tomar no futuro próximo.

Este projeto será alargado a outras regiões do enclave, levando em conta que os agricultores que disponham de terras de elevação superior a 800 m acima do nível do mar poderão plantar a variedade arábica do café e os que disponham de terras a uma altitude entre 600 m e 800 m plantarão a variedade robusta.