Plano Regional Estratégico 2019-2023: RAEOA – ZEESM-TL aposta em cinco anos de mais crescimento nas zonas rurais e desenvolvimento global

Plano Regional Estratégico 2019-2023: RAEOA – ZEESM-TL aposta em cinco anos de mais crescimento nas zonas rurais e desenvolvimento global

O Plano Estratégico Regional de Oé-Cusse Ambeno é, mais do que um livro branco sobre o desenvolvimento da Região, o resultado de um processo desenhado para colmatar as lacunas entre as aspirações da comunidade e a capacidade da Administração Regional para fornecer os programas necessários à sua resposta, assim contribuindo para o estabelecimento de uma sociedade mais saudável e sustentável.

Timor-Leste está em constante evolução e, sendo uma democracia vibrante, as conceções de desenvolvimento do Estado são constantemente desafiadas por cidadãos e especialistas. A RAEOA ZEESM-TL, sob minha liderança, tomou medidas corajosas para gerar uma visão unificadora de algumas abordagens um pouco conflituantes sobre o papel do Estado na priorização, decisão e implementação de programas do governo.

Atrevemo-nos a desafiar o status quo, tanto nas abordagens à governação como na gestão global de recursos finitos. Com esses recursos finitos, tivemos a audácia de aceitar o desafio orientador dos programas piloto do governo central. Isso teve um custo, críticas direcionadas à RAEOA ZEESM-TL, críticas que foram equivocadamente direcionadas à mesma Administração que desafiou as próprias fundações de tais Programas Nacionais, a mesma Administração que trabalha incessantemente para melhorar procedimentos, recorrendo aos melhores especialistas da comunidade para corresponder às expectativas .

Com parte do programa do Plano Estratégico Nacional para Oe-Cusse entregue, a Administração Regional continua, nas suas discussões com o Governo Central, a destacar que, ainda que grandes programas de infra-estrutura sejam cruciais para o desenvolvimento da Região, como foi concluído nas nossas consultas públicas à comunidade, há agora, acreditamos firmemente, uma necessidade crítica, uma prioridade inquestionável. Agora mais, do que nunca, é tempo de lidar com a grande divisão entre os cidadãos que se aproximam do centro urbano que é Pante Macassar, com melhor acesso aos serviços, e aqueles que vivem nas montanhas e áreas costeiras com acesso limitado a alguns serviços fundamentais, como saúde, educação, água e saneamento básico.

Este documento fornece um roteiro e orientará como tal todos os próximos planos de ação anuais, garantindo que podemos nivelar essas assimetrias, assumindo e prestando serviços às pessoas que deles necessitam desesperadamente, levando o nuclear para o que é visto como periférico e permitindo que todos os cidadãos tenham acesso a um sistema universal de saúde, a educação de qualidade e a empregos, sem terem de deslocar-se para diferentes localidades.

Mari Alkatiri

Presidente da RAEOA-ZEESM TL

Ex Primeiro-Ministro